Bem-vindos a Tamuá

A viagem para alcançar a comunidade de Santo Antonio (Pará) é longa. A cidade mais próxima, onde passam barcos de linha, é Prainha, no rio Amazonas. Depois, dependendo do barco, uma pequena “rabeta” (canoa com motor) ou uma lancha, precisa de 5 a 7 horas para chegar a comunidade, que pertence à região dos rios Guajará, Tamataí e Uruará, onde, em 17 comunidades, vivem mais ou menos 673 famílias.

Tem dois ecossistemas locais bem diferenciados, a terra firme, caracterizada pela floresta e a planície inundada durante a estação chuvosa (várzea).

A população é organizada em comunidades, onde moram de 15 a 50 famílias.

A agricultura, o extrativismo, a pesca, a criação de gado são a base da economia, mas a importância destas atividades varia dependendo do lugar onde se encontra a comunidade: na terra firme as principais são o cultivo da mandioca e o seu processamento (farinha, tapioca, beijú, etc.); em segundo lugar vêm a coleta de produtos florestais (madeira, cipós e talas, breu, etc.), a agricultura e a pequena criação de gado; a pesca e a criação de gado são as atividades mais presentes na várzea. Uma outra importante fonte de renda são os empregos públicos (professor, agente de saúde, etc.), as aposentadorias e os programas de assistência social.

O acesso aos serviços básicos (educação, saúde, energia elétrica e água) é muito precário.

Não existem na região formas regulares de propriedade da terra. A partir de 2000 os madeireiros ilegais estão ocupando abusivamente áreas de floresta sempre maiores, tirando das comunidades um recurso econômico valioso; as balsas que transportam as toras poluem as águas dos rios; os madeireiros, cada vez mais próximos às casas, ameaçam os comunitários. Além disso, as geleiras clandestinas estão depredando os recursos de pesca há décadas; finalmente, os fazendeiros estão ocupando terras sempre mais extensas.

Para enfrentar estas agressões, nos últimos dez anos uma parte da população local está lutando para a criação de uma reserva extrativista (RESEX) , uma área protegida onde os recursos do rio e da florestas estão a disposição exclusiva da população local, que se compromete em usar-los de forma sustentável.

Nesta luta a população enfrenta o poder e a violência dos madeireiros, que, muitas das vezes, agem com a complacência das instituições locais. As empresas madeireiras, para explorar sem limites a floresta, cooptam as comunidades com promessas de ajudas, de energia elétrica, etc., criando divisões na população. A ação dos órgãos federais encarregados para a criação da reserva está atrasando demais e pode se tornar ineficaz. Hoje a reserva ainda não é realidade e isso continua ameaçando os recursos naturais a e vida da população.

O que acontece na região dos rios Guajará, Tamuataí e Uruará constitui hoje, mesmo nas especificidades dele, um exemplo da realidade de muitos lugares da Amazônia. As lutas para a defesa do meio ambiente e para o bem estar das comunidades baseiam-se em um modo de vida sábio, onde os moradores, usando parcamente, mas com grande experiência, os recursos naturais, sabem obter produtos de alta qualidade, no campo da agricultura, da pesca e do artesanato.

Para valorizar estes produtos e apoiar o direito a terra deste povo, estão sendo desenvolvidas várias ações por parte de organizações não governamentais nacionais e internacionais. Entre elas, podemos colocar o projeto de apoio a criação de abelhas nativas, da Colônia de Pescadores, os cursos de capacitação da Pastoral Social e o projeto Uirapuru, das organizações CEAPAC, CEFT-BAM e MAIS, co-financiado pelo Ministério dos Assuntos Exteriores da Itália. Este projeto, ativo desde 2005, apóia a comunidade de Santo Antonio na melhoria da qualidade e na comercialização do beijú (biscoitos da mandioca), do artesanato, já apreciado em nível nacional e fortalecido pelas contribuição de outros artesões e designer, o mel de abelha nativa e do piracuí, um delicioso derivado do peixe (estes últimos dois são produzidos na comunidade de Vira Sebo).

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s